especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
O Estado do Pantanal - 15/03/2011 - 10h45

Grupo de pescadores testemunha escassez de peixes no rio Paraguai




Lucimar Couto

Grupo em pescaria na Baía Uberaba, no Pantanal, na divisa com o Mato Grosso.

Thiago Pereira

Pescador mostra pintado, fora da medida.

Lucimar Couto

Grupo de 27 pescadores ficou cinco dias no Pantanal. Resultado da pesca: 24 peixes.
Por Redação Pantanal News/Marta Ferreira - Campo Grande News

Cinco dias e cerca de 300 quilômetros rio acima, paisagem de encher os olhos, mas uma constatação preocupante: está faltando peixe na imensidão de água do Paraguai onde, para muitos, se concretizam os sonhos de todo pescador. É o que revela um grupo de 18 pessoas, a maioria de Campo Grande, acostumadas se reunir para pescarias no Pantanal e que, da última experiência, no Carnaval, trouxe na bagagem apenas 24 exemplares dentro das medidas permitidas- menos do que a cota legal - e a certeza de que, a cada ano, está mais complicado se sair bem em uma pescaria na região.

“Você fazer uma viagem dessas para pegar um 1 peixe?”, questiona Ronaldo Ribeiro, comerciante, que subiu o rio junto com 17 amigos, até a região de Porto Índio, na divisa de Mato Grosso do Sul com o Mato Grosso. “Se a Piracema acabou de terminar e pesca ser liberada e está assim”, emenda.

“Foi muito ruim”, resume outro integrante do grupo, o economista Fernando Abrahão, de 34 anos. “Andamos uns 300 quilômetros rio acima e ainda assim tivemos dificuldades”, completa o publicitário Pascual Sanz Mondragon. Outro que participou da pescaria frustrada, o advogado Luiz Cláudio Hugueney, 60 anos, diz que o que valeu foi o passeio, porque pesca mesmo, foi “bem fraquinha”.

Mais do que reclamar da dificuldade de fisgar peixes, todos são unânimes em apontar que esta não é uma situação recente.

“Brinco de bescar há 20 anos e há mais de 10 percebo que cada vez está mais difícil”,afirma Pascual. “O que a gente vê é muito pouco peixe e ainda fora de medida”, diz Fernando Abrahão.

O juiz e dono de uma propriedade à beira do rio Aquidauana Marcelo Raslan afirma que essa realidade vem sendo percebida também na localidade e já há alguns anos. “Quem vai para a beira do rio hoje, vai pensando apenas em passeio”.

Desrespeito e falta de fiscalização- Mesmo reclamando de não ter encontrado com facilidade o que mais gratifica o investimento na ida ao rio, o peixe, os pescadores amadores revelaram indignação com o que testemunharam ao longo do trajeto feito em pequenos barcos.

“Não vimos qualquer tipo de fiscalização”, comenta Fernando Abrahão. Isso facilita, segundo afirmam os integrantes do grupo, a ação de pessoas que, em vez de pescadores nas horas vagas, acabam se transformando em predadores da natureza, pois pescam em reservas onde retirar peixes é proibido durante o ano todo.

Essa cena foi vista, por exemplo, na reserva conhecida como Cará-Cará, já na divisa com o MT.

Segundo o testemunhos dos integrantes do grupo, os barcos turísticos param em locais permitidos e os turistas seguem em voadeiras(pequenas embarcações) para os locais onde não poderiam entrar para pescar.

Mesmo com a legislação estabelecendo tamanhos mínimos permitidos, os pescadores amadores dizem que a fiscalização deficiente também provoca outro tipo de comportamento predatório, que é o pescador que come os peixes fora de tamanho no local onde retira os exemplares e transporta os que estão dentro da medida, passando incólume onde há fiscalização.

“O desrespeito é muito grande com a legislação”, define o juiz Marcelo Raslan.

Precisa mudar-Ele e os companheiros de pescaria defendem alterações na lei e a utilização de estratégias já usadas em outros países, como a Argentina, para mudar esse quadro. Os argentinos criaram regras mais rígidas que impedem, por exemplo, a retirada do dourado dos rios.

“O turista já está indo para outros estados e outras regiões”, diz Pascual Mondragon, ao defender que sejam feitas mudanças para proteger o estoque pesqueiro.

“Se hoje já está assim, imagina daqui dez anos”, reflete.

 

Siga as notícias do Portal Pantanal News no Twitter:
www.twitter.com/PantanalNews

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 


Comentários
Alcides Faria, em 16/03/2011 - 12h15

Prezados É necessário uma percepção mais ampla de fenômenos ambientais no geral e pantaneiros no específico. Quando o Pantanal pega muita água - como agora - os peixes saem da calha dos rios e vão para os campos inundados onde certamente encontram mais alimento. Assim os "especialistas amadores" não conseguem captura-los facilmente.

 
Últimas notícias do canal
27/11/2017 - 08h39
“Se Amazônia é pulmão, Pantanal é o coração do planeta”
13/11/2017 - 09h40
Dia do Pantanal: mais que comemorar, ainda há muito a descobrir e preservar
10/11/2017 - 13h23
Com chuvas dos últimos dias, rios de MS atingem nível de alerta para enchente
08/11/2017 - 15h27
Devastação do Pantanal representa custo de R$ 19 milhões por ano
03/11/2017 - 13h10
Último fim de semana da temporada de pesca lota cidades de MS
 
Últimas notícias do site
13/12/2017 - 08h34
Acumulada, Mega-Sena sorteia prêmio de R$ 33 milhões nesta quarta-feira
13/12/2017 - 07h58
Azambuja se reúne com empresa e dá posse ao novo secretário de Saúde
13/12/2017 - 06h54
'Dog itinerante': Este cachorrinho já visitou mais cidades que muita gente
13/12/2017 - 06h38
Dia amanhece com sol entre nuvens, mas previsão é de temperatura alta
12/12/2017 - 14h30
Produção de grãos em MS cresce 40%, alta acima da média nacional
 

zap

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.