especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
O Estado do Pantanal - 11/07/2016 - 09h30

Levantamento de informações sobre pesca monitora atividade na região pantaneira

Equipe de pesquisadores avalia os dados obtidos pelo Sistema de Controle da Pesca de MS




Divulgação

Por Assessoria / Embrapa / Redação Pantanal News

Pesquisadores da Embrapa Pantanal e Instituto de Meio Ambiente do Mato Grosso do Sul – Imasul concluem entre julho e agosto deste ano as análises de dados obtidos pelo Sistema de Controle da Pesca de Mato Grosso do Sul – SCPesca/MS em 2015. As informações são coletadas por meio das Guias de Controle de Pescado (GCPs), preenchidas pela Polícia Militar Ambiental (PMA) durante as vistorias de pescado no estado. Dessa forma, os pesquisadores monitoram a atividade pesqueira, tanto profissional quanto amadora, na Bacia do Alto Paraguai. 

 
"O primeiro índice que nos chama a atenção é o número de guias preenchidas. Em 2014 foram emitidas 4.140 GCPs. Em 2015, esse número subiu 27% e foi para 5.259 guias", afirma Agostinho Catella, pesquisador da Embrapa Pantanal. Ele e as biólogas Fânia Campos e Selene Albuquerque, fiscais ambientais do Imasul, são responsáveis por avaliar os dados recolhidos anualmente pelo 15º Batalhão da PMA/MS. "Nós percebemos que esse aumento aconteceu, principalmente, em função do maior número de registros da pesca profissional artesanal", afirma. 
 
 
De acordo com Fânia, o número de pescadores profissionais subiu de 1.921 em 2014 para 3.759 em 2015. "Para renovar a autorização ambiental, todos os pescadores profissionais precisam comprovar que estavam em atividade, comercializando ou transportando o pescado. Uma maneira é apresentar a Guia de Controle de Pescado, que comprova que aquele material é fruto de seu trabalho". 
 
 
Embora o registro de pescadores profissionais tenha subido consideravelmente, Agostinho esclarece que esse aumento não teve o mesmo impacto na quantidade total de pescado capturado pela categoria. "Apesar do número de pescadores ter praticamente dobrado, a captura teve um incremento de 32%: subiu de 136 toneladas em 2014 para 180 toneladas em 2015. Nós percebemos que isso aconteceu em função do aumento dos pequenos desembarques de pescado. Os pescadores que capturam pequenas quantidades foram aqueles que passaram realizar registros com mais frequência, aumentando a emissão de guias". 
 
 
Ainda de acordo com os dados levantados pelos pesquisadores, houve um pequeno aumento de pescadores amadores registrados: o número passou de 13.242 em 2014 para 13.647 em 2015. A captura de pescado da categoria subiu de 170 para 183 toneladas. Já a quantidade total de pescado capturado por ambas as categorias foi de 306 toneladas em 2014 para 363 toneladas no ano passado, com 19% de aumento. As espécies mais capturadas foram cachara, pintado e pacu, nesta ordem. A equipe de pesquisa constatou também um maior rendimento da pesca amadora (a quantidade de pescado capturado em quilogramas por pescador e por dia de pesca). De acordo com Agostinho, em sete dos oitos meses de pesca de 2015, o rendimento foi maior do que no ano anterior.
 
 
Influência das cheias
 
O pesquisador destacou que a quantidade de peixes no ambiente, assim como o rendimento da pesca, estão diretamente relacionados à intensidade das inundações do Pantanal. "Quanto maior é a área inundada, maior se torna o ambiente para alimentação, abrigo e crescimento dos peixes. Em 2013 houve uma cheia mediana de 4,26 metros, mas em 2014 nós tivemos uma grande cheia, com pico de 5,42 metros no rio Paraguai (marcado na régua de Ladário, MS). Em 2015, esse pico foi de 4,60 metros – ou seja, uma cheia razoável. O Pantanal encheu nos três últimos anos e esse é um bom cenário para os peixes. Os aumentos que estamos vendo na pesca são uma resposta a essas grandes inundações – principalmente à de 2014, que se refletiu em 2015", diz o pesquisador.
 
 
Agostinho ressalta que, embora alguns parâmetros analisados no SCPesca/MS 2015 tenham apresentado crescimento em relação a 2014, esses números estão dentro da normalidade para a região pantaneira. A bióloga Selene Albuquerque pontua que, no momento, a equipe realiza apenas as primeiras análises dos dados de 2015. "Estes dados vão se juntar aos anteriores para embasar estudos sobre das tendências de médio e longo prazo da pesca", afirma. Selene destaca, ainda, que essas atividades só são possíveis graças à parceria firmada entre as instituições envolvidas. "O trabalho da PMA, por exemplo, é extremamente importante porque a coleta de dados é feita pela corporação em todo o estado", afirma. "Acho fundamental atuarmos juntos e dar continuidade a esse trabalho, que já tem mais de 20 anos".
 
 
O boletim completo contendo as últimas análises do SCPesca deverá ser lançado até o final de 2016.

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 

zap2
Comentários
 
Últimas notícias do canal
27/11/2017 - 08h39
“Se Amazônia é pulmão, Pantanal é o coração do planeta”
13/11/2017 - 09h40
Dia do Pantanal: mais que comemorar, ainda há muito a descobrir e preservar
10/11/2017 - 13h23
Com chuvas dos últimos dias, rios de MS atingem nível de alerta para enchente
08/11/2017 - 15h27
Devastação do Pantanal representa custo de R$ 19 milhões por ano
03/11/2017 - 13h10
Último fim de semana da temporada de pesca lota cidades de MS
 
Últimas notícias do site
14/12/2017 - 06h35
Após trégua, 5ª-feira terá pancadas de chuva em várias cidades de MS
13/12/2017 - 08h34
Acumulada, Mega-Sena sorteia prêmio de R$ 33 milhões nesta quarta-feira
13/12/2017 - 07h58
Azambuja se reúne com empresa e dá posse ao novo secretário de Saúde
13/12/2017 - 06h54
'Dog itinerante': Este cachorrinho já visitou mais cidades que muita gente
13/12/2017 - 06h38
Dia amanhece com sol entre nuvens, mas previsão é de temperatura alta
 

zap

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.